O chato – Martha Medeiros

Olá amores! O Chato, de Martha Medeiros foi a crônica escolhida do mês de Novembro. E, tipo, como não amar?

Fiquei mega interessada por ela desde que soube de sua existência enquanto estudava Leitura em Língua Portuguesa na faculdade.

O Chato conta a história de uma mãe que conversa a respeito de seu filho, que AMA livros, mas nem por isso é chato. Ele sai, tem amigos, é engraçado e gosta de conversar.

E com isso, Martha Medeiros faz a maravilhosa reflexão, que era o tema da matéria: por que cargas d’água o povo adora rotular as pessoas que gostam de ler de chatas?

No colégio sempre tem o nerd, que é o estudioso, que tira boas notas, mas que tem o rótulo de ser o quietão, antissocial, o chato. Ou a chata.

E na adolescência ainda tem aquela fama básica: que não pega ninguém.

Por falar nisso, leia também: Hábitos de leitura (vídeo no canal!!)

Mas, me digam: quem disse isso? Por que quem gosta de ler tem que ser chata e quem não gosta é popular? Falo da adolescência, mas até quando chega na idade adulta continua esse rótulo.

Quem disse que é chato? Dá reunir com a BFF e ler juntas <3

Nós aqui, que gostamos de ler, sabemos muito bem disso. Somos legais, temos vida social e, sinceramente, a leitura ajuda taaanto a se socializar.

Quem aqui não fez amizades por conta de livros? Sentou pra bater aqueeele papo com um amigo (ou amiga) sobre o livro que leu, trocou nomes, indicou e, melhor ainda, conheceu gente nova na internet.

A leitura nos torna mais sociáveis, amplia nosso vocabulário e nos dá até mais assunto pra conversar. Todo mundo pode ler, sair, conversar, viajar, namorar… ser feliz! Dá tempo para tudo.

Ou até mesmo partir para uma leitura coletiva 😉

E, no mais, se a pessoa em questão preferir ficar no sofá, de pantufa, lendo um livro até altas horas, qual é o problema? Não precisa ser o chato da história, cada um faz o que ama, não está prejudicando ninguém, né?

Alguns livros são emocionantes também, né? Saiba quais carrego no coração aqui: 7 livros que tocaram meu coração | BEDA#24

Como disse a própria Martha Medeiros, gente chata é aquela que fica falando o tempo todo, se acha a melhor, fica tomando conta da vida dos outros. Essa coisa de rótulos, de esteriótipos é tão batida, não é?

Martha Medeiros

Aaaaah, como termina muito bem a crônica:

Chato é quem não nos faz rir.

Mas e você, o que achou da crônica O Chato? Concorda com a Martha Medeiros?

Encontrei a crônica nesse link: Crônicas de Martha Medeiros



Vamos compartilhar mais livros pelo mundo, quem sabe assim ele se torna menos chato? Hehe

Beijo grande no coração

Projeto fotográfico 4×4

Olááá!!!! Final do mês sempre tem o que? Siiiim PROJETO FOTOGRÁFICO! Como sempre fico surpresa com os temas mais lindos escolhidos para nossas fotos!

Enfim, sem lenga-lenga, vamos ao que realmente interessa: FOTOS!!

1 – Rosa

Outubro rosa, para uma amante de papelaria como eu, nada como uma boniteza dessas tudo dessa cor. Achei uma graça essa foto, modéstia a parte

papelaria rosa

2 – Infância

Falar de infância, nada como lembrar a minha. O que há de melhor em ser criança? Siiiim, brincar! Fotografei meus brinquedos queridinhos que guardo até hoje 🙂

brinquedos

3 – Ensinar e aprender

Dia dos professores. Muito obrigada aos amigos que deram a linda ideia e lembraram da gente. Essa profissão que tanto é desvalorizada mas que é lembrada por todos. requer mil vezes estudo, e aí alguns livros de faculdade, uns extras e um caderno, nosso eterno aprendizado.

estudos

4 – Medo

 

Dia das bruxas, coisas de arrepiar.. mas perdoem se pareceu zuera minha gente, esse foi o tema mais difícil. O que realmente me dá medo? Bem, as contas para pagar. Imagina não conseguir dar conta? Com vocês minha fatura do cartão de crédito prestes a ser aberta. Coração dispara só de pensar…

 

fatura

 

Essas foram minhas fotinhas do mês. O que acharam? Alguém se identificou?

Aceito sugestões e críticas construtivas.

 

Beijo grande no coração flooooores

 

<a href=”https://www.bloglovin.com/blog/18310743/?claim=2e88gkjcd3b”>Follow my blog with Bloglovin</a>

A Segunda Faculdade

IMG_4603

Sempre tive uma certa ambição. Não sabia o que era, nem como se dava, mas de alguma forma ela se manifestava. Aos 16 anos sonhava em fazer teatro, rodar o Brasil apresentando peças e ser feliz. Claro que coloquei os pés no chão e aos 17/18 entrei na Faculdade para cursar Pedagogia. Foi meio que no susto, mas acabei gostando e ficando.

Anos após formada, alguma coisa começou a me incomodar. Estava concursada e “com a vida ganha”. Financeiramente estava segura, mesmo ganhando pouco. Já diz o ditado “pinga mas não falta”. Não tinha desafios. Era a mesma coisa todo o dia e assim seria sempre. Não estava feliz o suficiente. Queria avançar, fazer coisas novas. Estava ficando nervosa com a rotina, me sentindo presa e precisava mudar.

Em 2014 decidi que estava na hora de começar meu Mestrado. Já tinha um projeto em mente e tirei um tempo em 2015 para começar a estudar pois a prova viria mais para o final do ano.

Aconteceu que no meio do caminho achei meu projeto chato. Sabia que ia ficar numa gaveta e nunca mais iria usá-lo. Talvez dar uma palestra, nada mais que isso. Não era isso que queria.

E nesse mesmo período o amor pela Literatura cresceu absurdamente. Muitos livros, muitos blogs, vlogs e amizades surgiram por conta dessa paixão. Eventos literários se tornaram meu hobby e a aventura era poder participar deles ao máximo. O que não fui muito feliz, devido a minha localidade.

Sim! Era isso que eu queria. Mudei o foco, o rumo dos estudos para os livros. Claro. Estava na cara o tempo todo, mas não tinha percebido. E essa paixão literária, não apenas para ler, mas para promovê-la também se tornou meu objetivo. Decidi falar sobre incentivo a leitura, e eis que o que verdadeiramente me impulsionou foi ver o crescimento dela nos últimos anos. Principalmente no meio dos mais jovens.

Antes de começar meu Mestrado decidi fazer outra faculdade: Letras. Poder me aperfeiçoar na escrita e estudar Literatura me deixou animada. Ainda não sei ao certo como vai ser, e esse está sendo o maior barato da história. Deixar rolar e descobrir os caminhos a se seguir. Tenho sonhos e ainda estou me organizando para eles.

E não, não vou abandonar a Pedagogia. E tudo é projeto a longo prazo.

E sim, estou feliz.

 

Beijinhos